Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mundo Interessante

Mundo Interessante

Nietzsche: A Grande Saúde


Nietzsche denomina de «grande saúde» a vontade de viver independentemente da dor ou prazer, da doença ou saúde, do sofrimento ou felicidade que possamos experimentar durante o curso da nossa existência. Esta vontade de viver não significa vontade de conservação, mas sim vontade de intensificação do sentimento vital. A saúde passa assim a ser não o estado de um organismo livre de doenças, mas o estado de um organismo que ama a vida apesar de todas as enfermidades que possa sofrer.

Este desejo de vida e mais vida caracteriza-se por ser desprovido de hábitos duradouros. A grande saúde ocorre quando experimentamos inúmeros estilos de vida, quando fazemos da nossa vida uma obra de arte. Sendo assim, uma natureza plástica, sofisticada, versátil, potente, forte, criadora e alegre é condição primária para experimentar a saúde nietzschiana. No jogo de forças que é a essência da vida, o movimento perpétuo é fundamental. Podemos dizer que a grande saúde acontece quando um homem alegremente escolhe estar imerso no devir.

O esquecimento é também uma condição fundamental da grande saúde, pois a memória "congela" o devir e torna o homem incapaz de aceitar o desconhecido. Excesso de memória é já meio caminho andado rumo a um corpo doente, e por isso o esquecimento surge como uma poderosa força plástica que limpa toda a sujidade (ressentimento, inveja, ciúme, ódio...) que trava a afirmação plena da realidade.

Nas palavras de Nietzsche: "Nós, homens novos, inominados, difíceis de compreender, precursores de um futuro ainda por abrir, carecemos de novos meios para atingirmos novos fins, carecemos, digo, de uma nova saúde, de saúde mais vigorosa, mais provada, mais resistente, mais intrépida e mais jocunda do que todas as formas de saúde que até aqui existiram. Aquele cuja alma aspira a viver toda a extensão dos atuais valores e aspirações, tendo percorrido todas as costas deste «mediterrâneo» ideal, aquele que pretende conhecer por experiência própria e própria aventura quais os sentimentos de um conquistador e de um explorador do ideal, e, ao mesmo tempo, de um artista, de um santo, de um legislador, de um justo, de um sábio, de um homem piedoso, de um homem de Deus de outras eras, terá, antes de mais nada, necessidade de uma coisa: «grande saúde», saúde que não só possua, mas lhe seja necessário sempre e sempre reconquistar, pois que ela a cada novo dia se perde e tem de perder-se..."